7 de Setembro – Dia de Jejum e Oração pelo Brasil

No dia 7 de Setembro, data na qual oficialmente se comemora a independência política do Brasil, será realizado em todo país o 23º Grito dos Excluídos que, este ano, tem como lema “Por direitos e Democracia, a luta é todo dia” e tema “Vida em primeiro lugar”, pelos quais, segundo a Coordenação Nacional, quer chamar a atenção da sociedade para a urgência da organização e luta popular frente à conjuntura em que o país vive hoje.

Em coletiva de imprensa, realizada dia 31/08, na sede do Regional Sul 1 da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), em São Paulo, o bispo emérito de Blumenau (SC), dom Angélico Sândalo Bernardino disse que o Grito acontece em um momento em que o país vive uma crise ética na política por parte dos governantes e autoridades. O bispo disse que os parlamentares estão de costas para o povo, não ouvem os gritos da população, sobretudo dos segmentos que estão à margem da sociedade.

O bispo, representante da Comissão Episcopal pastoral para a Ação social Transformadora da CNBB, afirmou que é necessário transparência na administração pública e punição aos corruptos. “O povo precisa voltar a ocupar as ruas de forma consciente e organizada para conquistar, defender e garantir seus direitos”, disse.

A representante da Coordenação Nacional do Grito dos Excluídos, Karina Pereira da Silva, lembrou que O Grito dos Excluídos vem se afirmando, a cada ano, como um processo de construção coletiva, de forma descentralizada. Ela disse que o ato tem seu ponto alto na semana da Pátria e no dia 7 de Setembro, mas que é precedido de ações em preparação e organização que vão desde seminários, palestras, rodas de conversa, audiências públicas, vigílias, celebrações, concursos de redação nas escolas.

Mais informações aqui

ANIVERSÁRIO DA CATEDRAL METROPOLITANA

FESTA LITÚRGICA DO ANIVERSÁRIO DA CATEDRAL METROPOLITANA

Hoje toda a Arquidiocese do Rio de Janeiro celebra a FESTA LITÚRGICA DO ANIVERSÁRIO DA CATEDRAL METROPOLITANA.
Inaugurada oficialmente a 16/nov/1976 com a solene trasladação da Cátedra arquiepiscopal e do Cabido Metropolitano da Antiga Sé do Carmo para o seu interior, a Catedral Metropolitana de São Sebastião do Rio de Janeiro foi solenemente dedicada pelo Emmo. Cardeal Eugênio Sales aos 15/ago/1979, solenidade da Assunção de Nossa Senhora.
Tendo em vista que atualmente, por solicitação da CNBB e concessão da Santa Sé, a Solenidade da Assunção de Nossa Senhora é transferida para o Domingo seguinte a 15/ago quando este não cai em domingo, na Arquidiocese do Rio, todavia, celebra-se o aniversário da Dedicação da Catedral Metropolitana em grau de solenidade na própria Catedral e em grau de festa em todas as demais igrejas da Arquidiocese.