2° dia do Cerco de Jerico

“Vieram para ouvir Jesus e ficar curados de suas doenças.”

Hoje começamos com o Padre Dudu ás 07h30min:

Então houve  a adoração ao decorrer do dia até as 19h rezando pela quebra de todas as muralhas em nossa vida:

A noite encerramos com a  missa celebrada pelo padre Jorge Ney.

Amanhã continuaremos. Segue o convite do Padre Marcio Moura

1° dia do cerco de Jericó

Padre João Luiz…

Veio de Curitiba com a missão de Abrir o Cerco de Jericó, e assim o fez:

Deixa seu convite para o 2° dia do cerco que será pela manhã com o Padre Dudu às 07h30 e com Padre Jorge Ney às 19h:

Acompanhe o  Padre joão Luiz Lemos na associação Evangelizar é Preciso junto o Padre Reginaldo Manzoti e o siga no instagram em padre_joao_luiz.

Ouça os áudios deste cerco de Jericó em nosso PODCAST.

7 de Setembro – Dia de Jejum e Oração pelo Brasil

No dia 7 de Setembro, data na qual oficialmente se comemora a independência política do Brasil, será realizado em todo país o 23º Grito dos Excluídos que, este ano, tem como lema “Por direitos e Democracia, a luta é todo dia” e tema “Vida em primeiro lugar”, pelos quais, segundo a Coordenação Nacional, quer chamar a atenção da sociedade para a urgência da organização e luta popular frente à conjuntura em que o país vive hoje.

Em coletiva de imprensa, realizada dia 31/08, na sede do Regional Sul 1 da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), em São Paulo, o bispo emérito de Blumenau (SC), dom Angélico Sândalo Bernardino disse que o Grito acontece em um momento em que o país vive uma crise ética na política por parte dos governantes e autoridades. O bispo disse que os parlamentares estão de costas para o povo, não ouvem os gritos da população, sobretudo dos segmentos que estão à margem da sociedade.

O bispo, representante da Comissão Episcopal pastoral para a Ação social Transformadora da CNBB, afirmou que é necessário transparência na administração pública e punição aos corruptos. “O povo precisa voltar a ocupar as ruas de forma consciente e organizada para conquistar, defender e garantir seus direitos”, disse.

A representante da Coordenação Nacional do Grito dos Excluídos, Karina Pereira da Silva, lembrou que O Grito dos Excluídos vem se afirmando, a cada ano, como um processo de construção coletiva, de forma descentralizada. Ela disse que o ato tem seu ponto alto na semana da Pátria e no dia 7 de Setembro, mas que é precedido de ações em preparação e organização que vão desde seminários, palestras, rodas de conversa, audiências públicas, vigílias, celebrações, concursos de redação nas escolas.

Mais informações aqui